Notícias‎ > ‎

Na arena com os leões

postado em 16 de nov de 2009 10:24 por Lucien C.
8 de Setembro de 2008

resized_perola_futebol

“Drops sabor inspiração e cultura coloridos afetivamente.”

“Drops de Pérolas 002”

No começo, ninguém entendeu nada. Por que é que o professor de Educação Física cismou de trazer para disputar conosco, no nosso campo, um colégio de classe média alta num bairro chique de São Paulo, o time de uma escola estadual onde ele também dava aula?

Logo nos primeiros minutos, a coisa ficou clara. Aqueles meninos sem uniforme, jogando descalços ou com uns tênis escangalhados, tinham um toque de bola de dar inveja. E na grama verdinha e bem cortada do colégio, a nossa seleção passou a levar chumbo grosso: 0 a 1; 0 a 2; 0 a 3; 1 a 3; 1 a 4; 1 a 5...

Na arquibancada, a torcida começou a ficar impaciente. Sentado duas fileiras atrás de mim, estava um sujeito, um tipo enorme e boçal, com o qual eu já andava particularmente encrencado havia meses. Ele sempre me perseguindo, falando mal de mim, dando cascudos pelas costas. Seu nome era Malafiera, o apelido, Troglodita.

A cada novo gol da estadual, ele xingava descaradamente o adversário:

- Seu pé rapado, não tem dinheiro nem pra chuteira!

- Ei cabeção, quer uma meia emprestada pra jogar?

A cada drible novo:

- Quer um trocado pro ônibus? Vem engraxar o meu sapato...

Naquela época eu era um cara muito tímido. Na sala de aula ficava o tempo todo quieto, enfurnado. Numa discussão sempre dava a razão ao outro, mesmo quando, no fundo, sabia que eu estava certo. Até para os amigos eu sentia vergonha de dizer como tinha chegado sozinho à solução de um problema de matemática que o professor nem havia explicado.

Por isso todo mundo se surpreendeu quando, na quarta ou quinta vez que o Troglodita berrou, eu virei para trás e tasquei:

- Você é que é um bestalhão! Acha que todo mundo já nasce jogando de uniforme?

O brutamontes suspendeu o próximo xingamento no ar e ficou parado, procurando aquela voz que o ofendia. Quando me encontrou, não quis acreditar que eu pudesse ter dito aquilo.

- O que foi que você disse? Se repetir eu lhe quebro a cara...

Pois eu mirei nos olhos e mantive:

- É isso mesmo, seu bocó preconceituoso. Acha que dinheiro vale muita coisa, mas...

Nem precisei terminar a frase. O Malafiera saltou duas fileiras e num instante ia por as mãos no meu pescoço. Não sei o que me deu, desviei o corpo e, sem pensar, desferi um soco no seu peito. Ele levou um segundo, um segundo e meio, para se recuperar. Não do soco, mas do susto de ser agredido por um fracote como eu. E foi nessa fração de segundo, que eu escapei.

Saltei da arquibancada e saí correndo em ziguezague pelo gramado com a besta enfurecida atrás de mim.

Ah, como era bom desafiar aquela fera que me perseguira o ano inteiro e que eu nunca sonhara um dia ter coragem para desafiar... Ah, como era bom zombar do perigo e encher o peito de coragem! Que alegria! Até hoje me lembro do alívio e da euforia que tomaram conta de mim enquanto chispava pelo campo...

Verdade que, por trás desses sentimentos, estava o fato de que eu era muito mais rápido do que ele. Nós poderíamos correr até a meia-noite que ele jamais me alcançaria. Mas eu não contava com o resto da classe. Estes, sedentos por uma briga, se lançaram todos na minha captura. Até que me cercaram.

Naquele momento, enquanto eu ia sendo empurrado pelos meus colegas para o combate final – assim como um cristão era arrastado para a arena pelos romanos para dar combate aos leões –, aconteceu uma coisa muito importante.

Eu descobri que entre o medo e a coragem existe uma linha muito fina. Quando a gente a atravessa, é como se do outro lado houvesse uma reserva de força, prontinha, à nossa espera. Além disso, percebi que o medo e a coragem funcionam como uma gangorra. Numa luta, o medo de um alimenta a coragem do outro e vice-versa.

Por isso, quando me vi cara a cara com Malafiera, o Troglodita, o medo que eu sentia era bem menor do que o medo que eu achava que sentiria. Era um medo nanico, bastante administrável, que nem se comparava à imensa energia da coragem que havia transformado a minha vida minutos antes.

E como um prêmio à minha coragem, justo nessa hora soou o apito do seu Vitório, o porteiro. Era ele que chegava, estranhando aquela aglomeração de alunos e tratando logo de dispersar o bando.

Sabe o que aconteceu depois?

Voltamos todos para a arquibancada a tempo de assistir o nosso time perder de lavada. Eu evitei o Malafiera por uns dois ou três dias. Ele passou a descarregar a sua raiva inútil sobre outros garotos e simplesmente se esqueceu de mim.

Mas eu nunca me esqueci dele.

Nem daquela partida.

Nunca esqueci que entre o medo e a coragem existe uma linha muito fina – e só quando a gente a atravessa é que a vida começa de verdade.

Alberto Martins, baseado em história da infância de Roberto Pompéia.
Comments